‘Cause I’m Miss Brightside!!!

setembro 30, 2007 às 11:15 pm | Publicado em Felícia Tenenbaum, Música, Teses, Vida Pessoal | 3 Comentários

É engraçado como as vezes a gente escuta uma música é pensa que o compositor leu nossos pensamentos quando escreveu, porque é exatamente aquilo que queríamos dizer! Mais engraçado ainda quando a gente houve a música algumas vezes e gosta, mas só pára pra ouvir a letra (ou lê-la, ou traduzi-la) um tempo depois e se dá conta que é praticamente a leitura do nosso pensamento musicada!

Isso aconteceu com Mr. Brightside, do The Killers!

O cara conta uma história que conheceu uma garota, começou com um beijo e aí como podia terminar daquele jeito? E aí ele descreve toda uma cena da moça com outro cara, e eles se beijam, e oh, não, ele está tirando o vestido dela!!! Mas que ele sabe que tudo aquilo é coisa da cabeça dele, mas ele pede desesperadamente pra parar! Que ele é ciumento e queria quebrar tudo, mas que a culpa é do destino que está o chamando, porque ele é o Sr. Otimista!

Srta. Otimista, muito prazer!!!!

É e-xa-ta-men-te assim que a minha cabeça funciona, se eu fosse listar todas as situações hipotéticas dos meus paixões platônicas com outras meninas, eu escreveria livros sem fim! Se eu fosse guardar as lágrimas que chorei por isso, encheria oceanos, se eu quebrasse tudo que tenho vontade de quebrar, renovaria minha casa toda semana porque pra isso a minha cabeça tem uma criatividade sem fim!

Mas é só o preço que pago, o destino está me chamando, abro os meus olhos ansiosos… Porque eu sou a Srta. Otimista!!

PS.: este post é dedicado à Monique que me ensinou a gostar do The Killers!

eWar..

setembro 28, 2007 às 11:58 pm | Publicado em Jogos, Miss Ginsu | 3 Comentários

Um dos jogos de tabuleiros que mais gosto é o WAR. Foi lançado a 35 anos pela Grow e ainda faz sucesso entre jovens e adultos. O único empecilho do jogo é você ter que encontrar no mínimo duas pessoas livres pelas próximas 3 horas e dispostas a jogar contigo. Por isso resolvi procurar na net o jogo. Não era possível que nos dias de hoje não existisse WAR On Line. Pois bem, encontrei dois.

O site GameTrack (www.gametrack.com.br)  não disponibiliza só o jogo WAR para os usuários, mas também o WAR II (aquele com aviões), Imagem&Ação, Trunfo, futebol de pinos, entre outros. Mas pra ter acesso tem que pagar. Agora, assim que você se cadastra pela primeira vez, ganha cinco dias de acesso livre, pra testes. Falando um pouco do jogo, as regras são as mesmas do tabuleiro e se uma pessoa desiste, o computador continua jogando por ele, mas sem atacar ninguém. Apenas distribuindo os exércitos que recebe entre os territórios que possui.

O outro disponível na net é o eWar. O programa pode ser baixado no site www.ewar.com.br  – a mais nova versão e em teste – beta 3.0. Lá você se cadastra, gratuitamete, e participa de jogos com outros membros.  As regras lá também são basicamente as mesmas, mas, pelo menos pra mim, é muito mais divertido de jogar do que pelo outro site. Tem pontuação, ranking, administradores que ajudam na sala de bate-papo e, nessa nova versão, tem também a Rádio Combate, com músicas diversas. Caso não queira jogar, pode somente assistir a uma partida e ficar conversando com os participantes do jogo. Na versão anterior, se alguém desistisse da partida ou sua conexão caísse, a partida travava, diferentemente do Gametrack.

Fica aí a dica pra quem quiser experimentar jogar WAR pela rede. Agora vou lá disputar uma partida.


eWar

4 por 4

setembro 28, 2007 às 1:01 am | Publicado em Conto, Sr. Cetecentos | 1 Comentário

Enquanto ele pensava em quanto o mestre de obras ia embolsar com os azulejos superfaturados, ela imaginava como é que faziam para que eles ficassem todos iguais. Ela também se preocupa se o dinheiro consegue terminar a obra, mas é uma questão de prioridades.

A prioridade de Arruda de Campos era conseguir dormir bem e padrões inexplicáveis colocados no chão de seu quarto não a ajudaria. Tampouco seu marido, Pereira de Campos, pois estava muito ocupado com a obra e com a patente do jeito de correr de seu filho, Parreira de Campos. A única pessoa que poderia ajudar Arruda era sua filha, Mará C. Jina de Campos.

Certo dia, Mará, ao sair de seu laboratório (kit Alquimia), deixou um frasco de fungos perto de um de bactérias. Na manhã seguinte ela teve uma surpresa: sua empregada, Violeta Oliveira Santos (queria o que? De Campos?) tinha jogado tudo fora. Mará C. Jina trocou sua empregada por 4 sementes de maracujá mágicas. Plantou-as às 4 da tarde de uma quinta-feira perto da janela do quarto de sua mãe. Dessa vez ninguém jogou nada fora.

Algumas tias da família que brigavam pelo título de “Dedo Verde de Campos” teriam desistido se vissem o que Mará fez. Maracujás do tamanho de corações de mãe nasceram  e amadureceram da tarde pro dia. Alguns caíram no piso e acabaram com o problema dos azulejos. Um deles caiu na cabeça de sua mãe. Ela nunca mais se preocupou em dormir porque nunca mais acordou.

O Vermelho e o Verde

setembro 27, 2007 às 12:32 pm | Publicado em João do Caminhão, Poema, Tosco | Deixe um comentário

 

Às vezes eu lhe encontro

com um homem em cima

Às vezes eu lhe encontro

com um homem embaixo

 

Às vezes você atrasa minha vida

Então espero trocar de homem

Às vezes deixa que eu vá

Então eu vou e não olho pra trás

 

Porque eu sempre lhe vejo

Sempre lhe obedeço

Você pertence às mãos dos homens

Mudança de Planos

setembro 26, 2007 às 1:45 pm | Publicado em Lola, Moda | Deixe um comentário

 -Gostei deste vestido, posso experimentar?

-Ai, menina, esse é lindo! A sua cara! Acredita que dia desses a Siri estava com um igualzinho? Conhece a Siri, namorada do Alemão?

-Er… conheço.

[Coloca discretamente o vestido de volta na arara]

Confusões

setembro 24, 2007 às 10:22 pm | Publicado em Cinema, Elvira Yoki, Literatura, Música | 5 Comentários

Por ser meio atrapalhada vez ou outra acabado trocando as bolas. Nessas horas sai coisas como…

… achar que Justin Timberlake e Timbaland são a mesma pessoa. 

Só descobri a verdade sobre isso hoje! Não acompanho notícias sobre esse cara e é Timb demais pra eu distinguir quem é quem.

… achar que a autora de livros infantis Lygia Bojunga Nunes estava morta. 

Após ler o livro Tchau, lá pelos meus dez/onze anos confundi eu-lírico com eu-real  e na minha cabeça ela tinha mesmo morrido. Sete anos depois vendo a lista de autores que iriam comparecer a bienal do livro da minha cidade quase caí de susto ao ver o nome dela.

… ficar esperando o terceiro filme de Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado. 

Eu comparava muito esse filme com Pânico. Quando saiu o Pânico 3 eu fiquei esperando a terceira parte de Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado. Só que na última cena de Eu Ainda Sei eu fechei os olhos e não vi que a mocinha morre… Não ficou explícito, mas pra meio entendedor uma imagem congelada basta. Ano passado (ou esse ano, whatever) acabaram lançando o tal terceiro filme, mas com outros personagens. Blé!

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.