Wind of Change

fevereiro 5, 2008 às 1:09 am | Publicado em Amigos, Elvira Yoki, Msn, Sr. Cetecentos | Deixe um comentário

Conversando com Lola e Sr. Cetecentos concluímos que como blog coletivo nós não funcionamos. E maldizemos blogs coletivos bem menos geniais que o nosso que deram certo.

Concluímos, no entanto, que como um grupo ativo em uma janela de messenger somos bons. Então, até que a fada da perseverança encontre o peixe teremos textos medíocres e engraçadinhos, também conhecidos como ‘trechos de conversa de msn’.

– – –

sábado, 26 de janeiro de 2008

Elvira Yoki: O Sr. Cetecentos tem cabeça de abóbora.

Sr. Cetecentos: Quero ver quando rasparem.

Elvira Yoki: Aí você terá cabeça de abóbora calva.

– – –

Esteticamente três blocos ficaria mais bonito. Mas não me deixaram explicar a piada e agora tenho que improvisar.

Anúncios

Macacos me mordam

janeiro 7, 2008 às 11:45 pm | Publicado em Elvira Yoki, Nada, Prolixidade | 4 Comentários

Essa é uma expressão que precisa ser dita cautelosamente, pois mordida de macaco dói muito. Como eu sei? Já fui mordida. Em sonho. Mas doeu pra caramba.

“Macacos me mordam” é uma expressão muito usada pelo marinheiro Popeye. Na condição de marinheiro, ele viaja para diversos lugares, tais como ilhas. Essas ilhas são habitadas muitas vezes por macacos. Se eles conseguissem assimilar a sentença como um pedido, ou desejo, seria muito ruim para o Popeye.

Parem de nos empurrar essas crianças!

dezembro 9, 2007 às 7:51 pm | Publicado em Elvira Yoki, Música, Opinião, Televisão | 5 Comentários

Adultos têm uma glândula no cérebro que os fazem ficar idiotas na frente de crianças. Se forem crianças ditas prodígio eles extrapolam o limite da idiotice.

É lindo uma criança ter um sonho e querer realizá-lo no futuro. Só não é lindo quando esse sonho requer talento e ele estiver muito em falta. O maior exemplo disso pode ser encontrado no programa do Raul Gil.

O programa é um recheado de crianças fofas, que fazem graça, encantam adultos, mas que não têm talento. Os adultos podem até se deixar iludir e hipnotizar pela fofura, deixando os ouvidos não funcionais.

Outro exemplo clássico invadiu nossas casas junto com a novela América. Quando Gabrielzinho do Irajá chegava na minha televisão com seu cavaquinho (ou era violão? whatever!) meus ouvidos me suplicavam pra eu correr pela casa com um cotonete no ouvido. Muito bonitinho, um cego que sabe tocar, sinal de superação, etcs. Mas ele não sabia cantar! Pô, ele ser cego não fazia da gente surdo!

A última criança prodígio acabou de surgir no Faustão. O menino tem seis anos recém completados e toca teclado melhor do que muita gente. Mas ele comete o terrível erro de querer cantar junto. E a voz dele é pavorosa!

É muito terrível dizer pra uma criança desistir de seu sonho porque ela não tem talento. Só que é mais terrível ainda insistir, bater palminha, sabendo que ela não tem talento e deixá-la crescer iludida com isso. Um simples toque pode fazê-la querer evoluir e se empenhar pra conseguir seu objetivo.

Mas em se tratando de crianças, todos preferem fazer vista grossa.

O Parquinho Assustador

novembro 21, 2007 às 4:26 pm | Publicado em Elvira Yoki, Velhos Hábitos | 6 Comentários

hoje apresentando: a roda gigante

roda gigante

Parques não foram feitos para diversão.Todos aqueles equipamentos chamados por alguns de brinquedos, não passam de máquinas de tortura. Acontece que se essa grande verdade fosse revelada, os parques, ou seja, os donos dos parques parariam de lucrar.

Roda gigante. Pegam um roda, parecida com uma gigante roda de ramster. Atadas a essa roda se encontram gaiolas, por onde as pessoas entram e permanecem.

As gaiolas começam a subir, e a subir, e a subir. Quando atingem o ápice, o Sr. Controlador pára a roda. A gaiola fica lá em cima, balançando, balançando, balançando…

É a hora do tão falado flashback de uma vida toda, passando diante dos olhos. Você começa a ver o túnel de luz. A luz se aproxima, mais luz, quase o cega. Você está a dois passos de atravessar o túnel, quando…

O Sr. Controlador coloca novamente a roda pra funcionar. Após mais dois giros, é o fim. Você desce e parte pra outro.

Adote uma miguxa

outubro 29, 2007 às 1:11 am | Publicado em Campanha, Elvira Yoki | 14 Comentários

As miguxas estão em extinção e eu até sinto falta delas.

Quando os blogs eram dominados por essas criaturas com senso de ortografia distorcida e gosto duvidoso, as coisas eram mais inocentes. Elas gostavam de falar sobre sua vida, seus “migos” e de quebra faziam um humor involuntário de primeira.

Em contrapartida, parte dos blogs criados hoje já nascem com o intuito de lucrar. E se você tem um blog, mas não quer colocar o raio do adsense, te chamam de idiota. O mundo colorido das miguxas foi invadido por homens engravatados, carregando maletas e cheques no bolso.

O espírito dos tempos passados não pode se acabar totalmente. Por isso estarei em breve adotando uma miguxa. Ou criando um monstro, whatever. Antes que algum senhor engravatado venha aqui derrubar os meus blogs para construir um estacionamento.

Por favor, salvem a professorinha!

outubro 15, 2007 às 4:16 pm | Publicado em Elvira Yoki, Música | 2 Comentários

Hoje é dia do professor e eu não poderia fugir do clichê de falar sobre essa data. Falta de idéias é foda.

Então com a menor falta de criatividade possível resolvi fazer uma playlist com músicas para ouvir no dia dos professores. Copie, guarde, baixe, grave e dê de presente pra seu professor.

1) Amiga Professora

Um clássico da infância a música tema da professora Helena, de Carrossel.

2) Another Brick in the Wall II

Professores que não deixam os alunos em paz. Como se estes fossem uns anjos…

3) Papo de Jacaré

One-hit-wonder do P.O. Box, que fez sucesso nos anos 90, e que de wonder não tem nada.

4) Eu sei tudo, professor

Um clássico! Versão de uma música com nome muito complicado pra eu lembrar.Vale a pena ouvir!

5) Baba

Eu momento nenhum da letra, a Kelly Key diz que essa música é para um professor. Isso a gente vê no clipe.

Completem a lista.

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.